Síndrome das Pernas Inquietas (SPI)

Descrição

A síndrome das pernas inquietas (SPI) é uma condição crônica freqüente, mas pouco diagnosticada, que afeta entre 5% a 10% da população.

As pessoas que sofrem de SPI experimentam sensações incomuns e desagradáveis (frequentemente descritas como movimentos) profundamente em suas pernas, que levam a uma necessidade incontrolável de mover suas pernas, conforme será explicado adiante.

Epidemiologia

O consenso a partir dos estudos populacionais indica que a SPI:

–  Produz sintomas em 5-10% da população¹;

–  É mais comum entre as mulheres do que entre os homens;

–  É mais prevalente entre os idosos, afetando entre 10% e 28% dos pacientes com mais de 65 anos de idade;

Apesar dessa prevalência, a SPI ainda é subdiagnosticada e muitos pacientes não procuram ajuda medica.

Sinais e Sintomas

As pessoas com SPI apresentam caracteristicamente sensações desagradáveis e desconfortáveis no interior das pernas e um impulso incontrolável de movê-las para aliviar o desconforto.

Existem quatro critérios essenciais para a identificação da SPI, que é diagnosticada com base nos sinais e sintomas do paciente, resumidos a seguir.

1-      Urgência de mover as pernas, usualmente acompanhada ou causada por sensações desconfortáveis ou desagradáveis nas pernas;

2-      A urgência de mover as pernas ou as sensações desagradáveis se iniciam ou pioram durante períodos de descanso ou inatividade, tais como sentar-se ou deitar;

3-      A urgência de mover ou as sensações desagradáveis são parcial ou totalmente aliviadas por movimentos como andar ou alongar;

4-      Os sintomas são piores ao anoitecer ou à noite do que durante o dia, ou ocorrem apenas ao anoitecer ou à noite.

Como conseqüências dessas sensações, também podem apresentar uma variedade de outros sinais e sintomas, tais como:

– Distúrbios do sono;

– Fadiga e cansaço;

–  Desconforto físico ou dor, em alguns pacientes;

–  Transtornos do humor.

Os sintomas frequentemente são exarcebados por fatores psiquiátricos, estresse e fadiga.

Sensações desconfortáveis e desagradáveis

Muitos pacientes apresentam dificuldade de descrever essas sensações anormais.

Os resultados dos estudos clínicos mostraram que os pacientes com SPI descrevem as sensações nas suas pernas de várias maneiras:

–  Sensação de queimação que ocorre profundamente nas pernas (relatada pela maioria dos pacientes);

– Sensação de movimentos anormais nas pernas (ex. Arrepios);

–  Pernas rasgando, repuxando, formigando, inchando ou coçando;

–  Outras sensações bizarras, como por exemplo, “pernas malucas”, “pernas nervosas”, corrente elétrica, vermes se movendo, etc.;

–  Sensações do tipo “choque”.

A movimentação das pernas alivia essas sensações imediatamente ou logo após a atividade se iniciar, e isto representa outra característica padrão de diagnóstico para a SPI. Entretanto, os sintomas podem retornar quando o paciente pára de se mover.

Esfregar as pernas ou tomar banhos quentes ou frios pode aliviar o desconforto em muitos pacientes. Entretanto, à medida que a SPI progride, essas medidas passam a aliviar cada vez menos os sintomas.

Sintomas sensoriais em pessoas com SPI

Alguns pacientes vivenciam a SPI durante prolongados períodos de inatividade, tais como em viagens de avião ou no cinema ou teatro.

Fisiopatologia

Segundo sua causa, a SPI pode ser classificada como:

Primária ou Idiopática. Caracteriza a SPI onde não existe uma causa concomitante conhecida para a condição.

Secundária. A SPI ocorre devido a uma doença concomitante, condição ou tratamento médico identificáveis. Uma vez tratando a doença ou condição, a SPI tende a regredir também.

Causas Secundárias

Na maior parte dos casos a SPI é primária ou idiopática, no entanto existem várias causas secundárias que estão associadas ou aumentam o risco de desenvolvimento da SPI, expostas a seguir.

Gravidez. Até 19% das mulheres desenvolvem SPI durante a gravidez.

Doença renal terminal (DRT). Até 50% dos pacientes com DRT desenvolvem SPI, o que pode constituir um problema particular durante a hemodiálise, quando o paciente está descansando. Transplantes de rim podem melhorar os sintomas da SPI.

Certas drogas. Alguns relatos de casos sugerem que vários medicamentos e drogas podem exarcebar ou revelar a SPI, principalmente usados para o tratamento de doenças neurológicas ou psiquiátricas, tais como:

> Antidepressivos tricíclicos

> Antidepressivos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRSs)

> Lítio

> Antagonistas da dopamina

> Cafeína

Neuropatias e radiculopatias. São lesões ou inflamações em nervos, consideradas como causas secundárias da SPI, porém com poucas evidências.

Alguns estudos ligam uma série de neuropatias e radiculopatias com a SPI. Entretanto, outros não encontram qualquer associação.

Outras condições médicas. Várias outras condições médicas têm sido associadas com a SPI, incluindo doença vascular periférica, doença pulmonar obstrutiva crônica, asma e fibromialgia. Entretanto, a associação entre essas doenças em alguns estudos pode representar simples coincidência.

Anúncios

2 Responses to Síndrome das Pernas Inquietas (SPI)

  1. firmo ferreira disse:

    ótimo gostei demais

  2. Mario Intetepe disse:

    Optima licao. Porem urge explicar termos tecnicos expressos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s