O cruel abandono dos cães demasiadamente humanos

Na imprensa – a notícia do abandono de gatos e cães. Sem nenhuma culpa, seus donos deixam os animais perambulando por um mundo que não tem lugar para eles. Vão para suas férias. O olhar que cria o laço de afeto e de pertença certamente não foi exercido com eles e isto é marca que se reproduz nas relações do cotidiano. Paul Auster, em Timbuktu, narra a amizade entre um vira-lata e um poeta indigente tocado pela loucura. Ao criar um cão ou gato demasiadamente humano ele sugere o quanto rejeitamos de nossa natureza.

Tenho um cão Yorkshire, oito anos de idade que me acompanhava em longas caminhadas. Descíamos a Av.Lajeado, subíamos a Guaporé, continuávamos pela Av. Bagé até a Carlos Gomes, descíamos de novo, em busca de um paradouro. No verão uma cerveja gelada, no inverno um trago forte. Também é verdade que os cães ficam iguais a seus donos. Eu, com uma seqüela de poliomielite, manco com a perna esquerda e ele com problemas na rótula do joelho esquerdo me acompanha. Envelhecemos juntos. Ambos com poucos cabelos e brancos. Vivíamos felizes e éramos os donos da rua. Agora, doente, alterno conduzí-lo no colo com pequenas caminhadas. Caminhadas com o fulgor da nostalgia dos cheiros. O seu mundo é uma “sinfonia de cheiros”. A crueldade do abandono dos animais não esta só negação do afeto, na rejeição, mas também no problema da sobrevivência.

Matar os gatos para salvar os pássaros?! Nada disso acontece porque seres humanos que tem “sonhos dentro dos sonhos” e uma deliciosa garantia de dias melhores para todos nós, tem através de ONGs de bichos, uma forma de aplacar nossa consciência e culpa de assistir toda esta catarse de maneira distante.

Mr.Bones, o cachorro de Willy, o poeta de Auster, iria para a terra das palavras e das torradeiras transparentes, a terra das rodas de bicicleta e dos desertos ardentes onde cães e homens conversavam de igual para igual. Mr.Bones não está propondo o suicídio, ia simplesmente fazer uma brincadeira que um cão velho, louco e doente faria. Era isto que ele era agora – um cão velho, doente e louco. Chamava-se “desvie do carro”. Correr para o outro lado da rua e ver se conseguia escapar dos carros. Uma brincadeira venerável que permitia a todo cachorro da velha guarda recuperar a glória da juventude. Correu rumo ao barulho da pista, rumo a luz ao rugido que disparavam contra ele de todas as direções.

Com um pouco de sorte estaria ao lado de Willy  seu dono e amigo antes do dia acabar.

Dr. Rui Peixoto
Médico Cardiologista

Anúncios

3 Responses to O cruel abandono dos cães demasiadamente humanos

  1. psantana.colunista@zero . com. br.Em memória ao amigo leal e eterno:Leo.Guarda contigo. Um carinho .Rui Peixoto.

  2. cardiologista rui peixoto disse:

    Marina, quando escrevi o artigo : O cruel abandono dos cães demasiadamente humanos, estava triste com abandono dos cães nas praças de Porto Alegre, pelos seus donos?que saem de férias. A minha filha Samanta é biológa, sempre trouxe os gatos e cachorrinhos abandonados para casa ou ajudava na adoção.Tem a Liz,uma cachorrinha abandonada ( esta ótima, linda) o Buco e a Chiquinha gatinhos de rua.Tenho um cachorro , o Leo com 12 anos.Meu doce amigo.Um abraço nos teus amigos eternos.

  3. ESTAVA EU OLHANDO AQUI NO MEU COMP.éssa mens. falando sobre os cachorrinhos desprezados!isso dói no meu coração pois amo muito os cachorrinhos!eu tenho duas aqui comigo,que estavam jogada no meio do mato entre terra carrapatos e comendo estrume de gado!meu marido a trouxe em casa, eu não resisti fiquei com ela, hoje ela tem dez anos! tem comida a mesma que nos comemos,tem caminha com colchãozinho travesseiro cortininha para evitar o frio,e para evitar o calor banho, e muitas outras coisas que são muito p eu falar!éla se chama:Eliza Caxemira, é pretinha e tem peitinho branco,é a alegria da nossa casa,abaixo de Deus é claro!depois apareceu outra amarela, a dona dela, a jogou na rua!não a quis mais, estava couro e osso, comia lixo, e fralda de criança quando achava,!tambem não resistí, fiquei com ela tambem! tem seis anos e se chama: Patrícia Renata,tem de tudo tambem!caminha com roupinhas que eu lavo uma vez por semana!elas tem muitos nomes amor bensinho linda nene da mamãe menina do pai, e muitos outros nomes desses, que chamando elas atendem para encerrar porque são muitos; elas são nossas crianças..tratadas com amor e carinho só comem coisas boas, que fazem bem para a saúde delas tambem! sou bastante pobre mas Deus me da o poder para ser feliz, cuidando bem delas que para nós, não comparando,são como eu e meu esposo,porque tem sanguinho tem dores tem tudo igual a nós!!DR.RUI: sou marina teixeira da silva, que conversei com o senhor sobre meu filho Aristides da Silva Filho,tomou remédio para extrassístoles e esta melhor graças a Deus!se chegar até o senhor,é uma alegria para mim!muito obrigada de coração! fique com JESUS DEUS E O ESPÍRITO SANTO AMEM. Marina Teixeira da Silva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s